31 de jul de 2010

Be quick or be Dead #02

Outra leva de críticas para quem não gosta de ler muito...



Three Men to Kill (3 hommes à abattre, 1980) - Cotação: **1/2
Link: IMDB

O famoso ator francês Alain Delon estrela este pequeno filme que tenta emular algumas características dos filmes de Charles Bronson e Dirty Harry com resultados não muito satisfatórios. Delon interpreta um apostador que indo para um jogo de poker encontra um carro batido e um homem agonizante dentro, Delon resolve levá-lo ao hospital, mas o que ele não sabe é que este homem sofreu uma tentativa de assassinato e estava envolvido em uma trama conspiratoria envolvendo um capitão de uma indústria armamentista e agora, ele próprio é o próximo alvo.
Um pouco parado demais para um filme de ação e muito enrolado demais para um filme de suspense, é difícil assistir a Three Men to Kill em uma talagada só. Os furos de roteiro (como a cena em que um homem assassinado pelos bandidos, mas deixam a mulher viva, mesmo sendo testemunha ocular do crime) e o final abrupto deixam o fio de historia que sustenta a narrativa pouco plausível.

Trailer:





Blazing Magnum (A Special Magnum for Tony Saitta / Shadows in an Empty Room, 1976) - Cotação: ***1/2
Link: IMDB

Um policial de Ottawa (Stuart Whitman) tenta desvendar o assassinato de sua irmã em uma festa de faculdade com ajuda de seu parceiro interpretado por John Saxon. As suspeitas recaem sobre seu médico (Martin Landau), mas a medida que a investigação avança (com um atentado a vida da colega de quarto cega, interpretada por Tisa Farrow, irmã de Mia Farrow, que ilustra o pôster), a vida oculta de sua irmã prova que talvez ela tenha merecido o destino que recebeu.
Interessantissimo filme de investigação policial altamente influenciado por Dirty Harry, as cenas de delírio/flashbacks são muito bem filmadas e um elenco, como podem ver, muito acima do padrão de um "exploitation" qualquer.
As costumeiras reviravoltas não são tão fáceis de sacar como parece, deixando o filme atraente, e peca só um pouco por algumas cenas excessivamente gratuitas, como quando Whitman vai interrogar alguns travestis que moram em um apartamento e eles caem no sopapo sem motivo aparente como você poderá ver na cena abaixo. Ademais, um bom passatempo.





O Justiceiro: Zona de Guerra (Punisher: War Zone, 2008) - Cotação: ****
Link: IMDB

Se você gosta de filmes violentos com personagens da Marvel, pare de ler agora, corra para assistir "O Justiceiro: Zona de Guerra" e nem apareça mais aqui antes de ver. Um filme de herói "sangue nos óio" se preferir.
A história é simples como deve ser: Depois de matar dezenas (centenas?) de criminosos, Frank Castle acaba matando por acidente um agente do FBI infiltrado em uma organização mafiosa. Não obstante, falha em matar Billy Russoti que acaba com o rosto totalmente desfigurado e se torna o vilão Jigsaw (mas não é aquele que morreu de câncer que você conhece).
A principio cheio de remorso com o assassinato do agente, e que faz rememorar os eventos ocorridos com sua própria família, pensa em se "aposentar", contudo alertado pelo risco que a família do agente morto corre nas mãos de Jigsaw, Castle vai atrás dele de uma vez por todas.
Repleto de cenas sangrentas e algumas inesperadas, não somente este novo Justiceiro corrige todos os desvios de suas duas tentativas anteriores no cinema, como empolga e faz o espectador querer mais (reservadas as proporções, algo que Batman Begins fez pela DC). Algumas cenas cômicas destoam do tom sombrio da maior parte do filme, mas nada que atrapalhe. Vale cada frame, pena que não foi tão bem recebido, pois eu assistiria uma nova continuação.

Trailer: